sexta-feira, 2 de fevereiro de 2007

Pantanal 'pode desaparecer até 2050',



Foto de Jackson Lima, em um kayak. Estou remando. O menino-carona é morador de Corumbá. O rio em que estamos é o Abobral. Remar no Pantanal no meio dos jacarés é muito gratificante. O ano da foto é 1994. A máquina fotográfica: uma Olympus Trip 135. Sem recursos e emprestada!

O Pantanal brasileiro está ameaçado de desaparecer por completo até 2050, diz a organização alemã Global Nature Fund, que critica o crescimento da monocultura e a construção de usinas na região. Segundo a ONG alemã o crescimento da área plantada com soja e cana-de-açúcar é uma ameaça eminente à existência do Pantanal, que, de acordo com suas previsões, poderá desaparecer em menos de cinco décadas.

O Global Nature Fund (GNF) criticou duramente o governo de Mato Grosso do Sul, que permitiu a construção de usinas para a produção de etanol na região. Segundo Marion Hammerl, presidente do GNF, a produção intensiva de soja e etanol "deve ser proibida" na região, já que contribuem para a destruição do ecossistema através do uso de pesticidas e da poluição dos rios.

A instituição declarou o Pantanal como a "região úmida em perigo de 2007", um título que é dado todo ano a uma área ameaçada. Entre as regiões que já receberam esse título no passado estão o lago Vitória, na África, e o lago Chapala, no México.

Patrimônio natural

Por causa de sua flora e fauna exuberantes o Pantanal foi considerado Reserva da Biosfera Mundial e Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco no ano de 2000. Em dezembro de 2005 a ministra do Meio Ambiente Marina Silva assinou um ato para a constituição do Conselho Gestor da Reserva da Biosfera do Pantanal, que elabora e monitora o plano de ação da reserva.

No entanto, ambientalistas dizem que até agora pouco foi feito para preservar a área.
Eles criticam também o cancelamento de um contrato do governo com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) que previa investimentos na preservação do Pantanal.

Material retirado da lista Ybytucatu.
Autor: Marcelo Crescenti, de Frankfurt para a BBC

Comentário do blog:À lista das culturas malignas para o Pantanal acrescento o arroz plantado em regiões como o sopé da Serra da Bodoquena, Vale do rio Miranda e outros. Quanto à implantação de usinas de Cana de Açúcar no Pantanal para produzir etanol o blog destaca aqui a morte do ambientalista e jornalista que ateou fogo ao próprio corpo durante manifestação contrària às usinas. Foi em dezembro de 2005. Relembre a história nesse mundo de memória curta. Aqui está um link para carta escrita pelo deputado acreano Moisés Diniz ao ex-governador Zeca do PT sobre o assunto.

Nenhum comentário: