domingo, 2 de janeiro de 2011

Astronomia: Brasil adere ao ESO

A República Federativa do Brasil assinou ontem o acordo de adesão formal pavimentando o caminho para se tornar um Estado-Membro do European Southern Observatory (- Observatório Europeu do Sul - ESO). Após a ratificação pelo congresso,o Brasil se tornará o décimo-quinto Estado-membro e o primeiro não-europeu a fazer parte do ESO.
Em 29 de Dezembro de 2010, em uma cerimônia em Brasília, o ministro brasileiro da Ciência e Tecnologia, Sergio Machado Rezende e do diretor-geral do ESO, Tim de Zeeuw assinaram o acordo de adesão formal com o objetivo de tornar o Brasil um Estado-Membro do European Southern Observatory.

"Mos juntar ao ESO dará novo impulso ao desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação no Brasil como parte dos esforços consideráveis que o nosso governo está fazendo para manter o país avançando nessas áreas estratégicas", diz Rezende.

O Observatório Europeu do Sul tem uma longa história de envolvimento bem sucedido com a América do Sul, desde que o Chile foi escolhido como o melhor site para seus observatórios em 1963. Até agora, porém, nenhum país não-europeu entrou no ESO como um Estado-Membro.

"A adesão do Brasil vai dar à vibrante comunidade astronômica brasileira pleno acesso aos observatórios mais produtivos do mundo e abrir novas oportunidades para a indústria de alta tecnologia brasileira de contribuir para o projecto europeu Extremely Large Telescope. Ele também irá trazer novos recursos e competências para a organização na hora certa para que façam uma grande contribuição para este projeto emocionante ", acrescenta o director-geral do ESO, Tim de Zeeuw.

O European Extremely Large Telescope (E-ELT) fase de projeto do telescópio foi recentemente concluída e uma grande revisão foi realizada em todos os aspectos desse grande projeto foi analisado por um painel internacional de peritos independentes.

O painel concluiu que o projeto E-ELT é tecnicamente pronto para entrar na fase de construção. O sinal verde para a construção E-ELT está prevista para 2011 e quando as operações começam no início da próxima década, europeus, brasileiros e chilenos astrônomos terão acesso a este telescópio gigante.

O presidente do organismo máximo do ESO, o Conselho, Laurent Vigroux, conclui: "Os astrônomos no Brasil vão se beneficiar com a colaboração com colegas europeus e, naturalmente, de ter tempo de observação em observatórios de classe mundial do ESO em La Silla e Paranal, bem como na ALMA , que o ESO está construindo com seus parceiros internacionais ".

Nenhum comentário: