segunda-feira, 2 de maio de 2016

Natural Universal Creation Templates



The Law of One -There is only freewill. Do unto others as you would have them do unto you.


The Law of Attraction (a.k.a. The Law of Reflection) -The universe provides that which we express (intend). Be careful what you wish for - you may just get it!


The Law of Templates -God is basically a lazy programmer. He didn't create the apple. He created the template for the apple, and let the universe do its thing through the Law of Variation. The result is one shiny red apple! (and a bunch of other stuff...)


The Law of Variation -The outcome of templates are varied. What we experience will be similar yet different from one person to another. The "template" is the underlying process of all things. For example, the "wave" is a template for light, sound, and water. The "tree" is not only the structure of a tree, but also of rivers and human organization.


The Law of Duality -For every action, there is an equal and opposite reaction. For every light, there is dark. Both opposing forces make up a whole, and each piece contains a small amount of that which it opposes. Often expressed as the Yin/Yang symbol.  Often experienced as politics, sports, and marriage...


The Law of Confusion -You have the right to remain oblivious to the world around you. Nobody ever has a complete picture of all-that-is. Mostly because we don't have a big enough telescope.

The Law of the Pack -Mob mentality. A direct result of duality (i.e. us versus them). The sooner we put down the pitchforks and flaming torches, the better.

The Law of Conservation of Energy -Energy cannot be destroyed. We are all energy.


Templates


A História do Brasil em um só Gif (ilustração animada)

via GIPHY

Ao longo dos últimos 500 anos, o Brasil passou por enormes transformações – das expedições de descobrimento e de exploração da riqueza, passando pelo processo de colonização, monarquia, escravidão, até chegar nos dias republicanos de hoje. Muitas dessas transformações político-sociais tiveram reflexo em mudanças geográficas. Do Blog da Editora Contexto

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Quando o lixo se transforma em cifrões $



CARLOS JULIANO BARROS
Publicado na Revista Problemas Brasileiros

“Atualmente, uma família de quatro pessoas (pai, mãe e dois filhos), considerando uma expectativa de vida de 73 anos no Brasil, vai precisar de três apartamentos de 50 metros quadrados, com pé-direito de 3 metros de altura, só para colocar todo o lixo produzido por ela”, afirma Helio Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu, organização sediada em São Paulo que se dedica a promover práticas de consumo consciente. A imagem construída por Mattar ilustra de forma preocupante um dos maiores desafios a ser enfrentados pelo país na busca do tão alardeado desenvolvimento sustentável: o manejo adequado dos resíduos sólidos – o popular “lixo”.
Estima-se que cada brasileiro produza em média 1 quilo de resíduos por dia. Mais da metade das 199 mil toneladas descartadas a cada 24 horas ainda vai parar nos famigerados lixões espalhados de norte a sul do país, sem qualquer tipo de reaproveitamento ou tratamento ambiental adequado – sejam materiais de elevado potencial de contaminação, como lâmpadas de vapor de mercúrio, sejam embalagens misturadas a restos de comida

quinta-feira, 31 de março de 2016

Estereotipos, prejuicios y discriminación: ¿por qué debemos evitar prejuzgar?

Rafael Ramírez Lago
Psicólogo
FONTE

Hoy en día es frecuente escuchar las palabras estereotipo, prejuicio y discriminación en multitud de contextos sociales y profesionales. Este sobreuso de estos tres conceptos puede dar lugar a errores y malentendido sobre lo que realmente significan.
Debemos tomar conciencia de que son palabras que hacen referencia a realidades sociales importantes y cuyos efectos son la causa de dolor de miles de personas en el planeta.
Por ese motivo, es necesario conocer la naturaleza de estas realidades desde la definición que aporta la Psicología.

Estereotipos

Definición y trascendencia

Los estereotipos son creencias o ideas organizadas sobre las características asociadas a diferentes grupos sociales: aspecto físico, intereses, ocupaciones, etnias, etc. Se trata de imágenes simplificadas sobre cómo son vistos los grupos y lo qué hacen. Las categorías están constituidas por interpretaciones, ideas y opiniones sobre los elementos.
Desde la Psicología, estas cogniciones e interpretaciones sobre grupos sociales son los estereotipos. Todos tenemos estereotipos porque nuestra mente organiza los conceptos en categorías, y no son siempre negativos hay que entenderlos como dos caras de una misma moneda.

sexta-feira, 25 de março de 2016

Compostagem Domiciliar lançada em São Paulo

Da Agência Ambiente Energia – Foi lançando no dia 16 projeto para compostagem doméstica, que irá distribuir 2.000 composteiras para reutilização de resíduos orgânicos. O processo transforma restos de alimentos em adubo e reduz a quantidade de resíduos enviados aos aterros da cidade. O projeto integra a agenda ambiental da cidade de São Paulo, que inclui a criação de centrais mecanizadas de triagem de resíduos sólidos, a implantação de 400 quilômetros de ciclovias e a adoção das lâmpadas de LED para a iluminação pública.
“Depois da entrega da central mecanizada de triagem, que vai cuidar dos resíduos secos, nós estamos iniciando um projeto em São Paulo para cuidar dos resíduos orgânicos, que pode ser aproveitado na forma de adubo orgânico, para hortas comunitárias, nos parques e nas praças. A nossa meta é diminuir em 20 anos 80% do resíduo que vai para aterro hoje e que ocupa espaço precioso na cidade, que deveria estar sendo usado para parques ou CEUs”, afirmou Haddad.
Segundo o prefeito, nesta fase inicial, as composteiras serão distribuídas em caráter experimental, para avaliar os hábitos da população e formatar o melhor modelo para ampliação da escala do projeto. Durante o evento, realizado no Centro Educacional Unificado (CEU) Casablanca, zona sul, Haddad também afirmou que a ampliação da compostagem será realizada com o reaproveitamento dos resíduos orgânicos produzidos no preparo das mais de um milhão de refeições servidas na escolas municipais.
O financiamento das iniciativas é realizado pelas empresas Loga e Ecourbis, concessionárias da coleta de lixo. “Nós não estamos colocando recursos orçamentários da Prefeitura para este programa. O contrato que nós temos com as empresas de coleta prevê que 0,5% do que é pago todo mês seja investido em educação ambiental. Este programa então está sendo financiado com os recursos das concessionárias”, explicou o secretário Simão Pedro (Serviços).
Quando depositados nos aterros sanitários, os resíduos orgânicos resultam em problemas ambientais, como por exemplo a formação de chorume tóxico, que pode infiltrar-se no solo e contaminar a água subterrânea. Diariamente, são enviados para o aterro sanitário 18 mil toneladas de resíduos, sendo 10 mil toneladas de resíduos domésticos. Dos resíduos domésticos, 5.000 toneladas diárias são resíduos orgânicos. “Estamos falando em cerca de 50% dos resíduos que vão para os aterros e poderão ser desviados de lá se a população se engajar. A compostagem em domicílio, além de ser uma ação cidadã, é também uma ação de consciência ambiental”, disse Silvano Silvério, presidente da Amlurb (Autoridade Municipal de Limpeza Urbana).
Inscrição
As pessoas interessadas em participar do projeto devem se inscrever no site do Composta São Paulo. Segundo a Organização Morada da Floresta, responsável pelo projeto, os participantes serão selecionados de forma a atingir perfis diversificados de renda e de hábitos, para que a pesquisa seja abrangente das diferentes necessidades da população.
A primeira participante é Lurdes Luna, 79 anos, que nesta manhã recebeu das mãos do prefeito Haddad uma composteira doméstica do projeto. A dona Lurdes, como é conhecida na região do CEU Casablanca, estava entusiasmada com a novidade. “Vou encher de plantas esta casa. Já tenho uma hortinha com coentro, cebolinha, salsinha, couve e rúcula. Mas agora com o adubo vou poder plantar alface e mais outras verduras”, planeja Lurdes.
Para participar, é necessário ter um espaço de cerca de 60 cm X 40 cm X 90 cm e ter produção diária de resíduos orgânicos. “Não exige muito tempo, são cerca de 20 a 30 minutos por semana. Só tem o trabalho de colocar na composteira e de fazer a troca das caixas uma vez por mês. O mais importante é a vontade de mudar os próprios hábitos e transformar a cidade”, explicou Cláudio Spíndola, da entidade Morada da Floresta. A organização não-governamental estima que nos primeiros cinco meses será possível compostar 300 toneladas de resíduos.
Os integrantes do projeto receberão uma composteira doméstica e deverão participar de três oficinas e de pesquisas sobre o andamento da adoção da compostagem. Nas oficinas aprenderão detalhes do manejo e do funcionamento do processo. Ao longo de seis meses, pesquisas levantarão os problemas e soluções encontradas na mudança de hábitos.
O equipamento é composto por duas caixas digestoras e uma caixa que armazena o líquido resultante do processo. As caixas recebem os resíduos orgânicos, como cascas de ovos, borra de café e cascas de frutas e legumes, e matéria vegetal seca, como serragem e folhas secas. Minhocas aceleram o processo de compostagem, que resulta em húmus e biofertilizante líquido, que é coletado por uma torneira na parte inferior das caixas.

Brasil precisa recuperar orgulho de sua origem, dizem indígenas

Demarcação das terras indígenas e reconhecimento dos brasileiros sobre a importância dos índios para o país ainda continuam sendo os desafios principais do Dia do Índio, comemorado hoje (19). Representantes dos povos indígenas que costumam viajar a Brasília para mobilizações e protestos ressaltam a importância que a data tem para a conscientização da sociedade, mas alertam que o tema não deve ficar restrito à celebração de hoje.

O cacique Piracuman, da etnia Yawalapiti, mora no Parque Indígena do Xingu, no norte de Mato Grosso, e costuma representar os povos do Alto Xingu nos eventos que ocorrem no Brasil e no exterior. Ele afirma que embora o branco comemore a data no dia 19 de abril, para o índio as comemorações ocorrem diariamente, a cada trabalho de plantio, pescaria ou outra atividade, como construção de uma oca (habitação indígena brasileira).

quarta-feira, 23 de março de 2016

Espiritualidade brasileira, tendência à tolerância e síntese

Quem vier, de onde vier, que venha em paz!

 
Escrevo nesta quarta-feira, 23 de março, noite de Lua Cheia do Cristo de 2016. Existem muitos Brasis - inclusive um deles que está em crise que é o Brasil criado à imagem e semelhança da Europa. Me refiro à herança religiosa, católica ou protestante, sistema de governo, econômico e financeiro, cultura e idioma oficial entre outras coisas de origem e inspiração europeias. 

Mas existe um Brasil misturado, construído de baixo para cima, por pessoas humildes  e discriminadas pelo Brasil Europeu. É um Brasil que herdou uma espiritualidade que até hoje continua fora dos holofotes do Grande Brasil e que navega às margens (marginais) do talvegue (talweg)  do Grande Rio da Existência Nacional, onde todos, sem exceção, navegamos em diferentes graus de consciência disso. 

Experiências e técnicas sociais equivocadas de conquista, colonização e ocupação das terras do novo mundo utilizou ferramentas mais equivocadas ainda. Uma delas, a mais dolorida, a escravidão. De índios capturados, por exemplo, em terras do que hoje é Paraná e levados para as lavouras de São Paulo até o comércio de homens e mulheres capturados na África no que hoje conhecemos como o grande tráfico de escravos. 

Dentro dos planos e contextos puramente humanos e terrestres, um desastre social com consequências e resultados que se mantêm até os nossos dias na forma de desigualdades sociais, preconceitos, racismo, xenofobismo e intolerância. Destaco, que isso acontece no contexto "puramente humano", do lado não muito digno de elogio do "humano". Refiro-me ao humano no sentido de um ser encapsulado pela ilusão.

Entretanto, no contexto multidimensional, nesta dimensão e em outras, a situação é diferente. A reunião desumana de homens e mulheres negros e negras de várias nações africanas forçou a existência de novas maneiras de se associar, de ver o mundo, de proteger, produzir, sobreviver e falar. Daí nasceram a capoeira, por exemplo, como uma dança e uma arte de defesa ligada à religiosidade africana misturada e também à reorganização das práticas das religiões africanas. 

Os homens e mulheres livres da África trazidos para o Brasil foram jogados em terras que já tinham donos - as centenas de etnias nativas e originais conhecidas como "indios". O encontro nem sempre foi pacífico mas africanos e originais tiveram que conviver com patrões e capatazes dominantes e construir toda uma relação de serviço e trabalho.

No lado espiritual da existência, ao contrário, dos afazeres terrestres e civis esta tragédia resultou em uma das maiores experiências religiosas do Planeta. O nascimento de uma religião brasileira. O catolicismo europeu trouxe uma visão de mundo europeia, um conceito europeu de Deus, de santos, santas e profetas.  

O africano trouxe uma visão de mundo africana notadamente aquela baseada no culto aos orixás. Os "índios" já tinham suas diferentes visões de mundo completas com histórias da criação, conceito de divindade, protetores, cura e uma ecologia espiritualizada que orientava a vivência. 

A grande sacada do universo, da espiritualidade, do outro lado foi a aparição no planeta da "umbanda" - uma religião brasileira que adotou a visão do cristão, dos orixás dos africanos e abriu lugar na "espiritualidade" para trabalhadores de todas as raças e culturas existentes no Brasil. A espiritualidade brasileira no além é rica diversa e solidifica o princípio do que foi dito: o que ligares na terra será ligado no céu.

Os trabalhadores, no além, se juntaram em grupos dirigidos pela espiritualidade formado por índios e índias, caboclas e caboclos, boiadeiros, vaqueiros, escravos e escravas velhas, crianças e também de outros povos que se juntaram ao processo da criação e efetivação do Laboratório Brasil incluindo ciganos e ciganas, árabes, chineses, indianos, índios e índias da América do Sul, Central, Norte e esquimós. Entraram também na lista trabalhadores de nações indígenas ou já extintas como astecas e egípcios. Mas as cidades, os ambientes urbanos e boêmios, os ambientes perdidos segundo a visão de outras religiões  também contribuíram com trabalhadores dedicados a facilitar a vida dos encarnados que vivem situações semelhantes às que eles viveram. É o caso dos 'malandros' e de suas equivalentes femininas as pomba-giras.  A partir daqui, os links (enlaces) são para vídeos  em canais do Youtube. 

O culto Xangô em Alagoas é o que poderia ser chamado por mim de minha base, minha tradição afro-brasileira pé-no-chão. De minha casa em Maceió, eu escutava tambores de xangô em todas as direções. Muito comum na minha vida mas pelo lado negativa está a tradição da Jurema e do Catimbó. Como a minha família foi convertida ao protestantismo minha relação com as duas linhas era de oposição e perseguição.Tudo o que era ruim, nesse grupo, era atribuído ao catimbó. Destaco também que foi na minha terra em 1912 que aconteceu uma perseguição com direito a ataques e destruição de coisas ligadas ao xangô que passou a história como a "quebra de xangô". A memória da data é alvo de campanhas contra a intolerância.

Dito isso, destaco que a formação afro-indígena-católica ligada ao universo sagrado da Jurema é muito bonita e parte disso pode ser visto neste documentário. É desta tradição que vem um dos principais expositores da falange ou grupo dos malandros: Seu Zé Pilintra. Diálogos com Zé Pilintra é o nome deste vídeo entrevista com o seu Zé por meio de seu Médium Pai Francisco Borges (Outra entrevista com o seu Zé) ).O vídeo é parte do magnífico trabalho de entrevistas "Diálogo com os Espíritos" de Jefferson Viscardi.  

Uma das lições (tarefa) para o brasileiro fazer em casa hoje é livrar-se da intolerância e da falta de conhecimento junto com o desrespeito pelo que é seu, só seu e ampliar sua visão pois o Brasil, "o que está em,baixo se encontra ligado ao que está em cima" é muito, muito maior, maior do que as brigas herdadas da formação cultural eurocentralizada que pretende ser o Brasil. 


sexta-feira, 4 de março de 2016

Alarme ecológico: pouca neve no caminho de Iditarod

Iditarod 2005 - Wikipedia
Amanhã, sábado, 5 de março, acontece a largada da Iditarod - conhecida como a Última Grande Corrida da Terra. É a corrida de trenós puxados por cachorros  que parte de Anchorage até Nome no Alasca. É a corrida do gelo. Este ano, com o Grande Norte enfrentando um inverno quente faltou neve em trechos do percurso. E pela primeira vez, sete trens partiram de Fairbanks mais ao norte para Anchorage.  

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

A tecnologia do silício está chegando nos limites quânticos da matéria

Celso Pinto de Melo: "...entre 2020 e 2030 podemos ver o fim da eletrônica do silício ..."


Nota:
Esta "matéria" assinada por mim foi publicada no jornal A Gazeta do Iguaçu de Foz do Iguaçu. Reproduzo ao pé da letra.

Unila cria cátedra de Ciências Físicas e Novas fronteiras
Físico pernambucano, fundador da cátedra, falou 12 horas sobre convergências científicas

Terminou ontem o circulo de palestras da Cátedra Juan José Giambiagi de Ciências Físicas e as Novas Fronteiras Tecnológicas. A mais nova cátedra da Universidade de Integração Latino Americana (UNILA) fundada por Celso Pinto de Melo, Doutor em física, presidente da Sociedade Brasileira de Física e chefe do Departamento de Física da Universidade Federal de Pernambuco veio para espantar a quem estivesse pensando que a Unila só se interessaria por assuntos de integração latino-americana, sociologia das Américas ou antropologia das fronteiras. Durante três dias de palestras de quatro horas cada uma, Celso Pinto de Melo falou sobre os limites da nanotecnologia atual e demonstrou que as fronteiras entre ciências estão diminuindo e que a tendência é a eliminação de barreiras entre química, física e biologia.

“Dependendo da pesquisa o cientista tem que usar essas diferentes ferramentas científicas”, destacou. Para ele, o mundo vive na fronteira da nanotecnologia que é um exemplo clássico de necessidade de convergências de ciências. “No horizonte de 10 ou 11 anos ou entre 2020 e 2030 podemos ver o fim da eletrônica do silício e o início de um novo paradigma tecnológico” disse e acrescentou que uma característica importante da tecnologia moderna é a compactação – quanta informação a gente pode colocar num chip. Para o presidente da Sociedade Brasileira de Física, a tecnologia do silício está chegando nos limites quânticos da matéria. “E insistir nesse paradigma pode ser inviável inclusive economicamente”, alertou.    
 
É nesse novo paradigma tecnológico que deve aparecer nos próximos 10 anos, que ele vê a necessidade de convergência da física, da química e da biologia. Como cabeça do grupo de pesquisa da UFPE, Celso e equipe estudam novas classes de materiais que podem conciliar as características dos plásticos com propriedades como alta condutividade elétrica. Esses materiais ultrafinos de moléculas orgânicas permitirão construir circuitos eletrônicos muito pequenos que poderiam ser usadas para fabricar telas de TV flexíveis, materiais biotecnológicos avançados capazes de, por exemplo, imitar a função de membranas e células.
  
 “Está se aproximando uma nova eletrônica. A eletrônica molecular” – predisse o professor. A reportagem queria saber se o professor poderia adiantar alguma tecnologia específica, ou dizer se os próximos anos poderiam ver chips maleáveis, finos e que pudessem ser passíveis de serem usados no corpo. “Não há nada que eu seja capaz de prever ou visualizar em termos de produtos e materiais finais”, respondeu reafirmando que sabe que a fronteira tecnológica se aproxima.    

As oportunidades para o Brasil são imensas já que a nanotecnologia já é usada hoje na medicina, na eletrônica, na computação, na engenharia dos matérias e nas ciências convergentes como a física, a química e a biologia. A Cátedra da Unila dedicada às Ciências exatas quer passar a mensagem sobre a necessidade de popularizar a importância da ciência para o Brasil. “O Brasil tem grandes oportunidades de nas próximas 3 ou 4 décadas de se tornar uma sociedade mais justa”, disse Melo. Ele destacou que a ciência no Brasil chegou à maturidade e está pronta para ajudar o país desde que haja programas e orientação a solucionar problemas da sociedade. “Já é uma oportunidade de mais uma convergência de ciências. A Convergência da física, da química, da biologia com a sociologia. Uma convergência tecnológica e social”, pontua.                     
Na área da física de partículas elementais que o preofessor classifica de física do Século XX, ele diz que o Brasil também tem uma participação importante. “Mas essa é uma física que quer respostas sobre o comportamento de partículas em alta energia”, disse lembrando que só ultimamente, um consórcio europeu conseguiu uma superestrutura na fronteira da França com a Suiça para provocar a colisão de partículas. 

“Nós temos cientistas brasileiros cooperando nessa área mas digo que é uma área extremamente cara e nenhum país, nem mesmo os Estados Unidos conseguiu fazer um colisionador de partículas. Todos funcionam na base da cooperação internacional”, explicou. Ele lembrou que a física neste nível trará muitas repostas ainda. Mas não é o caso da física do uso prático que explica que dois carros colidem após violar certas leis descritas por ela. “Não é o caso do Ronaldinho que quando vai chutar a bola o que importa para ele é que a bola seja bola e não quer nem saber sobre a mecânica quântica dela”, brincou.          

Foto
(Professor Celso) Prof. Celso Pinto de Melo da Sociedade Brasileira de Física (Captada de vídeo do autor no Youtube)

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Fraldas descartáveis: práticas e pouco ecológicas - impactos e alternativas

A fabricação delas consume recursos como árvores, petróleo e água e, depois de usadas, demoram anos para se decompor. Você sabe como é esse processo?

As fraldas descartáveis surgiram apenas em meados da década de 40 do século XX, quando, ao final da Segunda Guerra Mundial, o algodão se tornara um produto escasso, levando uma empresa sueca de papel a criar fraldas ​​usando folhas de papel tissue colocadas dentro de uma película plástica. Na mesma década, uma moradora dos Estados Unidos utilizou restos de cortina de banheiro para criar uma capa protetora impermeável que, colocada dentro da fralda convencional de pano, impedia o vazamento do xixi da fralda do seu filho. Confira o artigo completo.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Confirmado: Terremoto de magnitude 4,6 no Canadá em agosto foi causado por fracking



Foto CBCNews, Canadá

O jornal canadense Vancouver Sun divulgou que o processo de extração de óleo pelo método conhecido com fracking causou um terremoto de magnitude 4.6 na escala Richter em agosto. A confirmação foi dada pela Comissão de Óleo e Gás da Columbia Britânica (BCOGC). 

A comissão informou que uma investigação determinou que o terremoto do dia 17 de agosto no nordeste da província foi causado pela injeção de fluídos pelo método fraturamento hidráulico ou fracking.


A empresa Progress Energy, propriedade  da empresa malaia Petronas deu uma parada na produção após o terremoto que atingiu a região. A empresa já havia sido acusada de causar um outro terremoto na magnitude 4,4 ligado ao fracking em 2014. Em pronunciamento divulgado, a empresa informou que leva o incidente muito a sério e que possui 17 estações de monitoramento na área de operação para detectar atividades sismológicas.  
O site EcoWatch dono da manchete acima, aprofundou, o assunto e aborda outros terremotos logados ao processo de extração de petróleo e gás.   A CBCNews também da província da Columbia Britânica extendeu o assunto.