Quem sou?

Sou Jackson Lima, moro em Foz do Iguaçu. Por profissão sou jornalista. Sou comunicólogo com interesse científico na comunicação, nas teorias da comunicação e em áreas fronteirças à psicologia, linguística e sua relação com o estudo da consciência. Gosto da análise de texto e do discurso bem como da análise transacional. Tudo isso é muito importante em ecologia especialmente na variedade conhecida como "ecologia profunda" que quer distância da "ecologia rasa".


Hoje divulgo e vivo a ecologia profunda. Mas já fui ecologista ativista, ambientalista segundo à ecologia rasa que é essa que você por aí. A ecologia ocidental típica que prega a preservação ambiental para o uso humano. Preservar hoje para consumuir amanhã. Na ecologia profunda, o valor a ser preservado é intrínseco. O valor das Cataratas, por exemplo, é intrínseco. Uma árvore é importante porque é uma árvore e não porque é uma reserva de materia prima para construir casas, fabricar móveis ou preparar remédios.

Nessa nova era de disciplinas que se misturam, adoro a ecopsicologia, a psicologia transpessoal e vejo com alegria o nascimento de uma ecologia transpessoal. Atuo também em uma infinidades de áreas alternativas que vão desde o "ecoturismo" materialista, antropocêntrico até o ecopsicoturismo que é uma espécie de "ecoturismo profundo". O ecoturismo vem da preocupação ecológica rasa. O ecopsicoturismo vem da vivência da ecologia profunda.

Assim passo a vida, escrevendo, pensando, trabalhando, vivendo e agora, construindo um local onde posso testar um monte de idéias e espaços que serão divulgados neste blog. Entre elas artes curativas como Reiki e Watsu.

Ainda na área profissional, destaco com orgulho, que fui guia de turismo em Foz do Iguaçu, Pantanal, Serra da Bodoquena e na Amazônia brasileira (Alto Solimões), colombiana e peruana. Ter sido guia de turismo, trabalhando com o receptivo, tive a oportunidade de encontrar muita gente e ampliar minha visão de mundo. Em Foz do Iguaçu fui guia da Agência Tropical de Turismo, parte da Rede Tropical de Hotéis que, na época administrava o Hotel das Cataratas e da Grande Agência Tur-Turística Internacional - Gatti Turismo ligada ao Hotel Carimã. Mas, na área de turismo, quem me chutou no traseiro e me forçou a mudar totalmente de paradigma foi ter sido guia de turismo na Amazônia colombo-peruana muitos anos antes de se pensar no Brasil em turismo de selva, ecológico ou como queira chamar. Os meus turistas em todos os lugares antes da Amazônia, conheceram um guia idiota com visão ocidental do mundo. Quem foi guiado por mim na Amazônia, encontrou um guia que tinha passado por um processo forçado de abertura de cabeça.

Alternativo de nascimento